quinta-feira, 20 de julho de 2017

"Meus nervos necrosaram", revela Renata Banhara sobre bactéria que atingiu seu cérebro

Modelo foi hospitalizada para tratar de uma infecção grave no cérebro


Em abril deste ano, Renata Banhara foi submetida a duas cirurgias no cérebro. A modelo de 42 anos foi internada às pressas em um hospital de São Paulo com uma infecção grave após se queixar de fortes dores de cabeça. O problema se deu por conta de um dente na boca de Renata, contaminado por uma bactéria, que acabou indo para o principal órgão da cabeça


Renata passou por momentos tensos. Foram 12 dias de UTI e um total de 38 dias de internação. Pensou que fosse morrer. Um otorrinolaringologista aspirou a coleção de bactérias que estava alojada no osso facial



Ainda em processo de recuperação, Renata segue medicada. Por ordem médica, a modelo está de repouso em casa pois sua imunidade está bastante baixa. Das sequelas, ficou uma paralisia facial do lado esquerdo do olho.

— Estou assim porque meus nervos não responderam a cirurgia. Talvez eu tenha que religar alguns,  porque muitos necrosaram por causa da tal bactéria


Renata diz que ainda está abalada com tudo que aconteceu.

— O trabalho continua, tive alta porque a bactéria ficou isolada, mas continuo me cuidando. Isso tem mexido muito com meu emocional, afinal de contas, estou há oito meses sentindo dores diárias


A modelo contou que as dores apareceram em novembro de 2016. Antes de descobrir o problema, ela havia passado por dois outros hospitais que a diagnosticaram com alergia e estresse


À base de corticoide e morfia, Renata ganhou 12 quilos. Sua cabeça chegou a pesar 1kg e meio a mais. O rosto da modelo ficou deformado, o que a fez se esconder dos filhos.

— Não recebia ninguém no hospital, fiquei com muito medo por causa das crianças. Até um tempo eu escondi o problema deles, mas a internet está aí, e tudo que liam vinham me perguntar. Até que um dia eu contei tudo


Renata relembrou os piores momentos da internação.

— A dor me levava ao desequilíbrio e continuo lutando contra isso. Estou sofrendo muito, e nunca imaginei que fosse passar por esta situação, mas não quero desmotivar aquelas que estão num por um processo similar ao meu


Numa crise de depressão, Renata pensou em se matar, mas graças à ajuda de psiquiatras logo descartou a possibilidade.

— O trabalho da psiquiatra é fazer com que eu passe por esse processo de uma forma mais suportável



Banhara mostrou nas redes sociais a quantidade de remédios que chegou a tomar.

— Eram cerca de 20, 21 comprimidos. Eu ainda sinto dor todos os dias, vai da ponta do meu cabelo até o dedo do meu pé. Meus nervos doem todos, perdi 40% da minha massa muscular. Não posso ficar muito tempo em pé, mas o que eu mais quero é viver



O alento para o problema veio dos médicos que ainda a acompanham.

— Eles me disseram uma coisa muito linda sobre meu caso. “Esse é um processo da vida. Todo mundo na vida vai ter seu momento de dor. Seja na primeira idade, na segunda ou na terceira”. Sei que estou na segunda, e na terceira eu não vou ter. Eles me garantiram que eu não vou ter



Se teve medo da morte?

— A morte passou pela minha cabeça, claro. Aliás, até hoje ainda passa. Só que hoje estou fazendo um tratamento para não me sentir vítima. Não quero pegar essa doença e fazer dela uma muleta a meu favor, fazer papel de coitadinha


Renata encerrou a entrevista dizendo sobre esperança de recuperação.

— Nenhum processo de uma doença é imediato e rápido. Nenhum remédio vai me salvar do dia para a noite, até porque meu organismo tem respondido a medicação com muita cautela. Mas tenho muito fé. Até dezembro quero estar ótima e de volta a ativa


♥♥♥
*



Fonte: R7