quinta-feira, 2 de abril de 2015

Governo quer criar curso de medicina em 22 cidades do Norte, Nordeste e Centro-Oeste





O governo federal anunciou, nesta quinta-feira (2), a abertura de um edital para oferecer cursos de medicina em faculdades particulares em 22 cidades de oito Estados brasileiros.
Desta vez, as regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste foram as unidades da federação pré-selecionadas. A expectativa é abrir 1.887 novas vagas de medicina neste processo.
A medida faz parte da política de expansão de vagas por meio do Programa Mais Médicos e será realizada pelo MEC (Ministério da Educação) em parceria com o Ministério da Saúde.
Para participar, o município não deve ter nenhum curso de medicina na cidade e estar a mais de 75 quilômetros de locais que tenham a faculdade de ciências médicas.
Critérios
De acordo com a secretária de Supervisão da Educação Superior do MEC, Marta Abramo, a principal preocupação é garantir que as faculdades sejam criadas em regiões onde há poucas vagas ofertas e fugir da concentração que existe no Sudeste e Sul do País.
— A nossa ideia é espalhar, distribuir pelo território, para que a gente tenha centros de formação no País inteiro.
Além disso, é preciso ter mais de 50 mil habitantes e contar com uma estrutura de saúde pública adequada para qualificar a graduação dos estudantes. O ministro da Saúde, Arthur Chioro, garante que o governo está preocupado com a qualidade dos cursos e por isso vai escolher cidades que oferecem condições técnicas adequadas.
— Ao em vez de perguntar para as instituições privadas onde elas querem abrir faculdades de medicina, o governo identifica quais cidades, quais regiões do País que precisam de novos cursos de medicina e que têm condições técnicas. Isso é muito importante, porque a expansão não abre mão da qualidade.
O governo também vai observar a quantidade de médicos por habitantes. Os municípios devem ter uma relação menor que 2,7 médicos a cada mil habitantes. No que diz respeito à infraestrutura, a prefeitura deve ser capaz de oferecer cinco leitos por aluno, sendo no mínimo 250 leitos, além de pelo menos três programas de residência médica nas especialidades prioritárias.
As cidades que estiverem interessadas devem confirmar participação no programa entre os dias 13 e 24 de abril. Após esse período, serão realizadas visitas técnicas para verificar se a estrutura dos hospitais atende o mínimo necessário para a realização das atividades práticas do curso de medicina.
De acordo com o Ministério da Educação, a expectativa é de que o resultado final seja divulgado no dia 31 de julho. A meta é criar 11.447 novas vagas até 2017 para formar 600 mil médicos até 2026.
Confira as cidades que podem ganhar novos cursos de medicina:
São Miguel dos Campos (AL)
Parintins (AM)
Brumado (BA)
Irecê (BA)
Euclides da Cunha (BA)
Senhor do Bonfim (BA)
Cratéus (CE)
Iguatu (CE)
Itapiopoca (CE)
Quixeramobim (CE)
Russas (CE)
Itumbiara (GO)
Chapadinha (MA)
Codó (MA)
Santa Inês (MA)
Bragança (PA)
Breves (PA)
Cametá (PA)
Castanhal (PA)
Araripina (PE)
Arcoverde (PE)
Salgueiro (PE)

**