segunda-feira, 6 de abril de 2015

Fla e Flu copiam gesto de Luxa e tapam boca em protesto contra Ferj





Antes do clássico deste domingo, jogadores de Flamengo e Fluminense copiaram o gesto de Vanderlei Luxemburgo última sexta-feira e taparam suas bocas enquanto perfilados na entrada para o duelo no Maracanã, pela 14ª rodada do Campeonato Carioca, em protesto em relação à punição ao comandante do time da Gávea. As duas equipes também usam tarjas pretas em seus uniformes em sinal de luto pela atitude da Ferj (Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro) de punir o treinador rubro-negro.
O gesto é uma forma de demonstrar apoio a Vanderlei Luxemburgo, que tapou a própria boca com esparadrapo na última sexta-feira como protesto por entender ter tido sua liberdade de expressão cerceada pela Ferj com uma suspensão por dois jogos. O gancho foi dado pelo TJD-RJ (Tribunal de Justiça Desportiva do Rio de Janeiro), que entendeu que o treinador incitou a violência ao dizer que a imprensa deveria "dar porrada" na Federação por causa de supostas falhas no regulamento do Campeonato Carioca.
Os torcedores presentes ao Maracanã também demonstraram apoio a Luxemburgo e gritaram palavras de ordem contra a Ferj em conjunto, algo pouco comum entre os rivais históricos. Flamengo e Fluminense estão unidos nos bastidores do futebol carioca como oposição à gestão do presidente da Federação, Rubens Lopes, aliado do presidente do Vasco, Eurico Miranda.
Flamengo e Fluminense chegaram até mesmo a propôr uma liga independente da Ferj como forma de fugir das ordens da entidade num futuro próximo. Ambas as diretorias ainda estudam a possibilidade do rompimento para que os danos sejam os menores possíveis nas esferas esportiva e administrativa.
Relembre o caso de Luxemburgo

Vanderlei Luxemburgo foi punido com dois jogos por criticar à Ferj (Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro). O Pleno do TJD recusou o efeito suspensivo, aprovado pelo STJD na sequência e revogado de forma definitiva na noite de quinta-feira (2).
Na ocasião, o técnico declarou que os jornalistas deveriam dar "porrada" na federação ao reclamar do regulamento do Estadual, principalmente da regra para inscrição de apenas cinco jogadores das categorias de base.
Segundo o departamento jurídico rubro-negro, a declaração de Luxemburgo aconteceu apenas em tom de crítica e sem qualquer incentivo a violência, já que foi mal interpretada. O clube reafirmou apoio irrestrito ao treinador e também publicou uma nota de repudio. O auxiliar técnico Deivid comanda o time no clássico contra o Fluminense, neste domingo.
Fonte: Uol

***